Elmo gravado na pele: farmacêutica homenageia mãe recuperada da Covid-19 em tatuagem

No dicionário, tatuagem significa arte de gravar na pele — por meio de pigmentos coloridos, ícones, palavras. Para a farmacêutica Régila Aguiar, 34, no entanto, essa definição vai além. Há quase uma semana, ela decidiu fazer a sua primeira intervenção no corpo, carregada de sentimentos e com o objetivo de homenagear a mãe, a psicopedagoga Rojane Aguiar, 71.

Em abril deste ano, a idosa foi diagnosticada com Covid-19. Inicialmente, Rojane passou uma semana na Enfermaria, mas, com o agravamento dos sintomas, teve de ser transferida para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Foram cerca de 40 dias de tratamento até sua recuperação.

A mãe de Régila está entre os mais de dois mil cearenses que tiveram o auxílio do capacete de respiração assistida Elmo para vencer a doença. O dispositivo, fruto de parceria público-privada, começou a ser idealizado logo no início da pandemia e tem feito a diferença nas unidades de saúde não só do Ceará, mas de outros estados, como Maranhão e Amazonas, por exemplo.

No terceiro dia de UTI, fui surpreendida com uma videochamada do médico com ela no Elmo, sorrindo, dando tchau, dizendo a célebre frase dela: ‘está tudo bacana, bacana, bacana!’. Eu chorei de emoção vendo aquele ser tão frágil e, ao mesmo tempo, tão forte ali, mostrando que ela é guerreira e tem força”, relata a farmacêutica.

Rojane Aguiar, 71, venceu a Covid-19 após passar mais de um mês internada

Cinco meses após a alta hospitalar, a perseverança da mãe na luta contra o coronavírus continuou latente na memória de Régila e foi o motivo para eternizar no braço um dos momentos mais marcantes de sua vida. “Eu sempre quis uma (tatuagem) que tivesse um significado importante. E a imagem dela sorrindo no Elmo me marcou muito! É a verdadeira tradução de quem é ela. Uma guerreira, poço de fortaleza que eu queria ter e tento me inspirar”, destaca.

Com a ideia na cabeça, a farmacêutica iniciou a busca pelo profissional responsável por expressar essa carga de sentimentos numa ilustração. A escolhida foi a tatuadora Raquel Evangelista, que já atua em Fortaleza há seis anos.

Sempre trabalhei com desenhos autorais. Uma característica dos meus trabalhos, para além da estética, é que minhas tatuagens costumam contar histórias. Gosto especialmente do momento de conversar com os clientes sobre suas motivações, e, a partir disso, desenvolver o desenho. Sugeri, como licença poética, que representássemos o Elmo de uma forma lúdica, e foi então que chegamos ao capacete de astronauta — afinal, ele a ajudou a respirar e atravessar uma longa viagem da qual felizmente ela voltou segura e com saúde”, explica Evangelista.

Assim como acontece entre muitos pais, a reação de Rojane ao ver a tatuagem da filha não foi muito amistosa, mas logo mudou. “Ela ficou gritando comigo, mas, quando contei o simbolismo, viu com outros olhos e entendeu. Para minha mãe, o coração que está em cima do capacete representa o amor entre ela, eu e minha irmã (Raquelle)”, diz.

Elmo

O projeto nasceu em 2020, resultado de uma iniciativa conjunta entre Governo do Ceará, por meio da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa), da Escola de Saúde Pública do Ceará (ESP/CE) e da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap), além das Universidades de Fortaleza (Unifor) e Federal do Ceará (UFC); e Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), por meio do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai/Ceará).

O capacete Elmo também conta com o apoio da Esmaltec e do Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar (ISGH). Até outubro de 2021, o Sistema Único de Saúde (SUS) cearense já utilizou 1.636 capacetes Elmo em suas unidades no tratamento da Covid-19 e de outras doenças respiratórias.

Habilidades

, , , ,

Postado em

4 de novembro de 2021