Grupo propõe conjunto de ações para enfrentamento da pandemia no Ceará; Capacete Elmo 2.0 é uma das propostas apresentadas

 

Reunidos nesta terça-feira (23) durante roda de conversa virtual, grupo de gestores públicos, profissionais da saúde, cientistas e acadêmicos propuseram a criação de uma força-tarefa a fim de fortalecer a vigilância em saúde, o rastreamento e o controle dos casos da Covid-19 no Ceará. A ideia, segundo a equipe, seria a criação de uma estrutura sólida e sustentável para a articulação dessas ações em todo o Estado a partir do atual contexto epidemiológico.

A proposta foi apresentada durante a Roda de Conversa Virtual “Covid-19: Retraçando o Caminho no Ceará”, realizada nesta terça-feira (23) pela Escola de Saúde Pública do Ceará Paulo Marcelo Martins Rodrigues (ESP/CE), vinculada à Secretaria da Saúde do Estado do Ceará (SESA). O superintendente da ESP/CE, Marcelo Alcantara, ressaltou as potencialidades do capital humano e das ferramentas tecnológicas e de inovação em saúde de que o Ceará dispõe como forma de fortalecer as ferramentas de rastreamento de contatos e controle da Covid-19.

>> Assista à transmissão completa

“Colocamos na mesa um problema que é a necessidade de um fortalecimento das ferramentas de vigilância epidemiológica, de rastreamento de contato e essa necessidade se faz em caráter de urgência”, disse o gestor, chamando atenção para a urgência dessas tomadas de decisões em função da própria pressão pandêmica que o atual contexto vivenciado pelo Brasil impõe.

O Presidente da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FUNCAP), Tarcísio Pequeno, também validou a proposição da força de trabalho como proposta de enfrentamento da doença nesse momento a partir da união entre a ciência, a pesquisa e o fazer prático dos profissionais da saúde do Ceará. “Temos de provocar nossos recursos humanos e nos colocarmos a serviço desse debate. Temos uma motivação, disposição e recursos para sairmos daqui para um patamar diferente de ciência”, afirmou o gestor.

Elmo 2.0

Exemplificando a ação prática desses esforços, Tarcísio adiantou, durante a conversa, os trabalhos que estão sendo feitos naquilo que seria o projeto do Elmo Versão 2.0. Segundo o pesquisador, a ideia é inserir um sistema de inteligência artificial no capacete de respiração assistida que é utilizado para o tratamento de pacientes com insuficiência respiratória aguda. “Iremos dotar o Elmo de sensores e reguladores onde ele possa se adaptar dinamicamente às necessidades e características do paciente”, disse, adiantando que o projeto está sendo acompanhado pela Funcap nesse momento.

Roda de Conversa

O coordenador da roda de conversa e Cientista-Chefe da Saúde, José Xavier Neto, comentou as propostas apresentadas durante o encontro, ressaltando o papel dessas visões. “Essa é uma iniciativa que se desenrola em vários ângulos e que vai ser uma estrela de muitas pontas para atingirmos o objetivo final que é dotar o estado de uma capacidade muito clara e efetiva de rastrear casos e contatos”, finalizou.

Além de Marcelo Alcantara, Tarcísio Pequeno e Xavier Neto, participaram da roda de conversa virtual a secretária executiva de Vigilância e Regulação em Saúde, Magda Almeida; o diretor da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) no Ceará, Carlile Lavor; o pesquisador da Fiocruz Ceará, Odorico Monteiro; o cientista chefe de Dados do Ceará, José Soares de Andrade; e a coordenadora do Programa de Monitoramento e Rastreamento de Contatos de Casos Suspeitos Covid -19 , Emanuela Feitosa.

Como encaminhamentos da reunião, a equipe se comprometeu a organizar uma próxima agenda para encontros futuros. A ideia é que a partir disso, o grupo de trabalho possa construir e apresentar um plano com base nas experiências apresentadas e partilhadas na webreunião.

Habilidades

, , ,

Postado em

31 de março de 2021