ESP/CE apresenta resultados prévios de testes com capacete Elmo

Os resultados preliminares dos testes clínicos realizados com o Elmo, capacete de respiração assistida para tratar pacientes com quadro leve ou moderado de Covid-19, serão divulgados nesta quarta-feira (4), às 19h, no canal oficial da Escola de Saúde Pública do Ceará (ESP/CE) no YouTube. O superintendente da instituição e idealizador do dispositivo, Marcelo Alcantara, estará à frente do webinar, que terá mediação do supervisor do Centro de Investigação Científica da Escola, Jadson Franco.

O Elmo foi testado em dez pacientes internados no Hospital Leonardo da Vinci (HLV), unidade requisitada pelo Governo do Ceará, por meio da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), para atender pacientes com Covid-19. Iniciada em junho, esta fase de estudo tem o objetivo de validar as funcionalidades e usabilidade do capacete, bem como avaliar a eficácia do equipamento no tratamento de suporte a pacientes com insuficiência respiratória causada pelo coronavírus.

Em julho, uma paciente de 70 anos foi submetida ao tratamento experimental, se recuperou de insuficiência respiratória e recebeu alta do HLV. Na Europa, um dispositivo semelhante reduziu em 50% a necessidade de intubação de pacientes e evitou a internação em leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Autorizado pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), o teste em pacientes é um dos requisitos exigidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para que o capacete possa ser produzido em escala industrial. A patente do dispositivo foi registrada no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) em julho.

Funcionamento

O Elmo prevê a utilização de um mecanismo de respiração artificial não invasivo. Acomodado ao pescoço do paciente, o equipamento permite ofertar oxigênio a uma pressão definida ao redor da face. O paciente em tratamento respira com auxílio da pressurização e oferta de oxigênio. Desse modo, o sistema permite a melhora na respiração e diminui a possibilidade de intubação.

O modelo foi produzido em tempo recorde graças à união entre ciência, tecnologia e inovação. Foram necessários apenas três meses para criação e consolidação do protótipo em força-tarefa composta pelo Governo do Ceará, por meio da Sesa, ESP/CE e Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap), Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai/Ceará), Universidade Federal do Ceará (UFC) e Universidade de Fortaleza (Unifor).

Habilidades

Postado em

6 de janeiro de 2021